NR-10

Retardante a Chamas

image O acabamento retardante à propagação de chamas, oferece proteção e conforto para trabalhadores expostos ao risco de fogo repentino, arco elétrico, transferência de calor, metais fundidos e fagulhas.

Diminui a gravidade das queimaduras bem como possibilita um maior tempo de fuga e de socorro das vítimas em caso de acidente.

Modo de ação dos Retardantes de chama duráveis.

Quando se aquece a celulose ela começa a decompor-se a aproximadamente 300ºC com desprendimento de gases inflamáveis que queimam a 350ºC.

Acabamentos retardantes a chama desidratam a celulose, reduzindo a uma cadeia carbônica estável. Isto ocorre a 250ºC.

Como isto está muito abaixo da temperatura de ignição, o tecido não queima.Principais Propriedades


As principais propriedades do acabamento Retardante a Chamas são: 

  •    - Excelente resistência à propagação de chamas;
  •    - Sem chamuscamento posterior,
  •    - Sem emissão de gases tóxicos;
  •    - Preserva o conforto do algodão;
  •    - Não causa irritação da pele;
  •    - Alta solidez à lavagem à quente;
  •    - Alta solidez à lavagem à seco.

Mesmo depois de tratado, o tecido de algodão permanece macio e confortável, mantendo suas propriedades e desempenho.

O tecido de algodão tratado garante a segurança, sem perder a aparência, o conforto e a respirabilidade. O conforto envolve muito mais do que manter o corpo frio ou quente, úmido ou seco.

O tecido de algodão tratado :

  • - Não é alérgico;
  • - Não irrita os olhos;
  • - Não irrita a pele.

Após testes com o manequim incandescente observamos que o tecido de algodão continua intacto, flexível e em boa forma após a primeira exposição.

O tecido sintético apresenta significante contração, ficando colado à pele e tornando-se quebradiço, podendo romper ou se encolher, expondo a pele.
 
Com isso,  um segundo fogo, pode ter resultados devastadores.

Mesmo sendo mais pesados, os artigos de algodão tratados são mais finos e menos espessos que os sintéticos, dando maior conforto e flexibilidade de movimentos ao trabalhador.
benefícios

São vários os campos de aplicação do acabamento retardante a chamas. Sua utilização é muito recomendada nas seguintes áreas:


  • -Trabalhadores sujeitos à exposição à chamas
  • - Plataformas petrolíferas e refinarias
  • - Áreas de soldagem
  • - Companhias elétricas
  • - Fábricas de produtos pirotécnicos/explosivos
  • - Siderúrgicas
  • - Aeroportos
  • - Bombeiros
  • - Engarrafamento de gases

A durabilidade dos retardantes a chamas dependem do seu comportamento com relação a lavagem, limpeza e molho.

Esta estabilidade depende de:

  • Química
  • Substrato
  • Método de teste
  • Aplicação
  • Cuidados após o uso
O acabamento RC do artigo Unicompany é permanente, ou seja, o acabamento tem a mesma durabilidade do tecido!

Lavagem

Recomendamos o seguinte procedimento para lavagem, baseada na norma AATCC 96 para lavagens comerciais/industriais, dos tecidos com acabamento retardante à chama:


A) Para tecidos com sujidade leve utilizamos um detergente industrial a 1% de concentração.


B) No caso de sujidade pesada, dobramos a concentração de detergente industrial, mantendo o mesmo procedimento de lavagem, podendo utilizar-se desengraxante que não contenha hipoclorito de sódio.



Secagem

Para a secagem recomendamos utilizar uma secadeira industrial a 70º C por 30 minutos ou até a completa secagem das peças.


As peças podem ser secas também no varal, observando que as mesmas sejam penduradas no sentido vertical, certificando-se que estejam bem secas, ao final.



Recomendações Gerais

As roupas profissionais nunca devem ser lavadas com baixo nível de água para não causar encolhimento desnecessário, e os enxagues devem ser mais longos para se eliminar os resíduos de sujidade que foram eliminados do tecido e possam se encontrar na máquina evitando a redeposição.


Não é recomendável utilizar sabão em pedra, pois pode haver formação de cálcio insolúvel sobre o tecido, que por ser combustível, influencia assim no efeito retardante.


Não lavar com hipoclorito de sódio. O uso de produtos clorados deve ser evitado.


Durante o enxague, não utilizar ácidos.


Evitar vapor intenso direto durante operações de passagem a ferro ou pranchamento.


Para melhorar a durabilidade dos tecidos retardante a chamas, recomendamos lavar as peças estocadas pelo menos uma vez ao ano, para evitar perda de resistência do tecido.


Provas de Lavagem Industrial


O Acabamento Retardante a Chamas do artigo UNICOMPANY RC é muito durável, como pode ser visto abaixo:

Medição Analítica %P

O valor de %P indica a quantidade de retardante a chamas fixado no tecido. As propriedades de retardante a chamas são obtidas com %P acima de 1.2%. Além do % P, o tecido deve atender ao teste retardante a chamas específico.


Após uma pequena degradação, o teor de fósforo é muito estável. Este comportamento é típico do acabamento Retardante a Chama. Se armazenado adequadamente, o tecido mantém as propriedades retardantes a chama pelo tempo de vida útil da roupa.


Estocagem dos artigos tratados

estocagem dos artigos tratados


Existe a evidência que os tecidos tratados, armazenados ou usados por períodos prolongados, sofrerão hidrólise. Este efeito hidrolisado pode ser removido com a lavagem.


Os tecidos podem continuar mantendo as mesmas propriedades retardantes a chama originais, mas a lavagem subsequente pode remover o fósforo do tecido e reduzir as propriedades retardantes a chama.


Alta temperatura e umidade aceleram a hidrólise durante a estocagem prolongada.

 

Os tecidos com acabamentos retardantes a chamas tem suas características e padrões de qualidade controlados através de rígidas normas. As principais são a NFPA 2112 e a NFPA 70 E. 

É uma norma americana que trata sobre os riscos de explosão ou de qualquer possibilidade de exposição a chamas que sofre um trabalhador. Os principais testes e pontos de controle são:


  • - ASTM D 6413-99 Ensaio de Flamabilidade Vertical
  • - ASTM F 1930-00 Ensaio de Flamabilidade com Manequim Instrumentado
  • - ASTM D 737-96 Respirabilidade
  • - ASTM D 5034-95 Resistência a Tração
  • - ASTM D 1424-96Resistência a rasgo
  • - ASTM D 4108-87 (TPP) Desempenho de Proteção Térmica

A NFPA 70 E é uma norma americana que trata dos perigos que envolvem trabalhadores com eletricidade.

Para a NFPA 70 E - Risco Elétrico - as roupas utilizadas são consideradas Equipamentos de Proteção Individual.

É semelhante à norma brasileira NR10 que contempla padrões de segurança para o segmento elétrico, no qual um dos grandes riscos é o arco-elétrico.

O arco elétrico é um fenômeno da eletricidade, ocorrido em falhas e curto-circuitos dos sistemas elétricos. Este arco voltaico libera uma enorme quantidade de calor.

Os uniformes destinados a trabalhos em eletricidade, para serem aprovados pela NFPA 70 E, devem atender as exigências da norma ASTM F 1506-02.

Os ensaios exigidos por esta, são:

  • - ASTM D 737-96;
  • - ASTM D 5034;
  • - ASTM D 1424;
  • - ASTM D 6413;
  • - ASTM F 1959M-99.

    Ressaltaremos apenas os métodos ASTM D 6413 e ASTM F 1959M-04

O objetivo deste ensaio é medir a transferência de calor que atravessa o tecido exposto a um arco elétrico controlado. Placas posicionadas atrás dos tecidos são equipadas com sensores, calculando-se assim os valores ATPV.


ATPV: Valor de Proteção Térmica ao Arco Elétrico medido em calorias/cm²


Neste teste, o tecido é submetido a um arco elétrico de 30 ciclos a 7000 RMS (cerca de 20 cal/cm2 por seg.)


Na figura ao lado, o tecido externo e forro são de algodão tratado. Nota-se:


  • - Formaram um carbonizado;
  • - Não queimaram;
  • - Não derreteram, sem massa fundida;
  • - Não gotejaram expostos a este intenso arco elétrico.

  • proteção   contra arco eletrico

Quanto mais alto o valor ATPV, maior a proteção da roupa.


Quando se aquece a celulose ela começa a decompor-se a aproximadamente 300ºC com desprendimento de gases inflamáveis que queimam a 350ºC.

Acabamentos retardantes a chama desidratam a celulose, reduzindo a uma cadeia carbônica estável. Isto ocorre  a 250ºC. 

Como isto está muito abaixo da temperatura de ignição, o tecido não queima.



Ensaio de Flamabilidade com Manequim Instrumentado: ASTM F 1930-00


O manequim é vestido com um macacão do tecido a ser testado e exposto por 3 segundos à chama.

Para ser aprovado a queimadura terá de ser menor que 50% da superfície corpórea do manequim. Quanto menor,  maior a proteção fornecida pelo tecido.

Finalidade:
Avaliar como o tecido protege contra calor e chama ao ser exposto a um fogo repentino.

Método:

  • Aplicar chama instantânea, por todos os lados, com fluxo de calor de 2 cal/cm2.seg, por um tempo de 3 segundos.

  • Posicionados no manequim estão 122 sensores de calor, que medem a temperatura em diferentes pontos do corpo.

  • As roupas testadas são de mesmo tamanho e mesma confecção. São lavadas 3 vezes.
Abaixo segue a comparação entre os tecidos Santanense Unicompany RC, Sarja Mista 88%CO 12%PA  e Tecido Sintético Paramida.

comparação entre tecidos

Estes resultados mostram que o tecido Sarja Mista 88/12 e o tecido UNICOMPANY apresentam nível de proteção semelhantes.

Este teste visa mostrar a resistência do tecido Unicompany RC ao esticamento. A amostra (102 x 204 mm) é colocada entre duas garras de um dinamômetro e puxada até que rasgue.

Quanto maior o alongamento, maior a resistência do tecido. Abaixo, segue o teste de resistência à tração do tecido UNICOMPANY RC: 

resistência à tração

Nota-se que estes resultados atendem perfeitamente às exigências de resistência para durabilidade necessária ao tecido, atendendo também aos níveis exigidos pelos clientes.

Valores superiores à 223 N (tanto no urdume quanto na trama) demonstram a alta resistência à tração do Unicompany RC.

Este teste visa mostrar a resistência que o artigo Unicompany RC apresenta ao rasgo.

A amostra (102 x 204 mm) é colocada no dispositivo de teste, que utiliza um pêndulo, que é solto  e deixado cair pelo seu próprio peso. Mede-se a facilidade com que o tecido pode ser rasgado.

Abaixo, segue o teste de Resistência ao Rasgo do tecido UNICOMPANY RC:
resistência à rasgo

Estes resultados atendem perfeitamente às exigências de resistência para durabilidade necessária ao tecido, atendendo também aos níveis exigidos pelos clientes.

Valores superiores à 22 N (tanto no urdume quanto na trama) demonstram a alta resistência ao rasgo do Unicompany RC.